Posts

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Canibal tentou comer garota de 14 anos

Um homem de 57 anos planejou estuprar, matar e comer uma garota de 14 anos. Prenderam ele, mas ele não está sozinho por ai...

Segundo a Promotoria, o enfermeiro Dale Bolinger usava uma comunidade online de "fetiches obscuros" para falar sobre a decapitação e o canibalismo de mulheres e meninas, como uma forma de satisfazer fantasias sexuais.

Ele foi preso pela polícia inglesa num esforço conjunto com o FBI, que rastreou um e-mail usado pelo acusado uma investigação em fóruns online sobre estupro, assassinato e canibalismo de mulheres. O FBI teve acesso a registros de conversas travadas por Bolinger na comunidade online. Neles, Bolinger comentava, segundo a acusação, que teria decapitado uma adolescente de 14 anos, comido crianças diante de suas mães e matado e comido uma mulher grávida e seu feto.

'Carne de vitela'

Muitas destas conversas envolviam o ato de comer crianças, às quais ele se referia como uma "boa carne de vitela", segundo depoimentos dados no julgamento.

Ao vasculhar o celular e o computador do acusado, a polícia encontrou arquivos de fotos de crianças com os nomes "jantar; uma já foi, uma à espera", "o churrasco", "o churrasco2" e "o churrasco3". Ele também vinha conversando com uma adolescente mexicana de 14 anos chamada Eva, que vivia na Alemanha.

Em uma das conversas, Bolinger propôs se encontrar com a garota em uma estação de trem e discutiu como faria sexo com ela antes e depois de sua morte.

"Ele disse que mataria ela com um machado ou uma machadinha e depois a comeria", disse o promotor Martin Yale.

Boelinger ainda teria dito que "a ideia de fazer amor e depois comê-la é muito excitante".

Mas Eva, que não foi identificada, nunca apareceu para o encontro, e Bolinger voltou para casa.

Em depoimentos, ele admitiu a posse das imagens encontradas em seu computador, mas nega que tenha tentado se encontrar com a adolescente depois de assediá-la sexualmente e diz que foi à estação de trem porque temia pela segurança da garota.




Então ele foi até o local do encontro pela segurança dela... QUE CARA BONZINHO!

Fonte: BBC

terça-feira, 29 de julho de 2014

A Experiência BENKI

Não são poucos que, diante do fascínio à luz da ciência, desconhecem a verdadeira face dos experimentos realizados em prol do conhecimento. Talvez consiga elucidar melhor os meus dizeres, uma vez que contar-lhes o que aconteceu a um de meus subordinados. Devo, com antecipação, contextualizar a situação a que nos encontrávamos. Meu nome é Dr. Richard Andon, e há duas semanas fui designado como pesquisador-chefe no setor de biomedicina e genética. Meu novo assistente, David Thompson, introduziu-me ao laboratório.

David era um rapaz modesto, de carreira promissora no campo da ciência biológica. Sua aparência dispensava quaisquer apresentações, uma vez que era dotado do característico semblante “rato de laboratório”. Sei que não deveria descrevê-lo desta maneira, porém não tenho palavras que possam lhe surtir melhor. Era um excelente homem. E naquele enfadonho dia, após uma série de comprimentos e discursos de colegas de trabalho, levou-me ao setor do qual lhes falei.

O laboratório era deveras encantador. Espaçoso o suficiente para as inúmeras aparelhagens que o compunham. Não perderei meu curto tempo para descrevê-las, pois causaria a mim apenas maior ressentimento em perdê-las. Devo salientar que conforme David me acompanhava, atentei a uma pequena incubadora encostada ao canto, como que deixada de lado perante aos demais maquinários científicos. Dentro, pude observar apenas uma placa de petri, enquanto que abaixo, estampada na máquina, havia uma etiqueta onde podia ser lida a seguinte palavra: “BENKI”.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

"Abandonados pela Disney"

Talvez vocês não saibam, mas a Disney é a principal responsável por tornar uma pequena vila em uma vila fantasma que hoje é conhecida como “Ghost Town”. Deixe-me explicar, a Disney construiu o “Treasure Island Resort (Resort da Ilha do Tesouro)", que em 1999 teve o nome alterado para “Discovery Island (Ilha da Descoberta)" que esta localizada na Baía de Baker, nas Bahamas.

Discovery Island não era uma vila fantasma. Navios de cruzeiro da Disney realmente desembarcavam no resort e deixava os turistas para relaxarem no luxo.

Outro fato verdadeiro que você mesmo pode comprovar é que a Disney investiu 30 milhões neste paraíso tropical... Sim, trinta milhões de dólares.

Em seguida eles simplesmente abandonaram o local.

Eles culparam as águas rasas (rasas demais para que seus navios operassem em segurança), e sobrou até para os trabalhadores. A Disney disse que como eles eram das Bahamas, eles eram muito preguiçosos para trabalhar em um horário regular.

É aqui que a natureza factual da história acaba. Não era por causa da areia, e obviamente não era porque "os trabalhadores eram preguiçosos demais". Ambas eram desculpas convenientes.

Não, eu sinceramente duvido que essas razões eram legítimas. Porque eu simplesmente não acreditei na história oficial?

Por causa do Palácio de Mogli.

Perto da cidade litorânea de Emerald Isle na Carolina do Norte, a Disney começou a construção do "Palácio de Mogli" na década de 1990. O conceito era um resort com a temática da selva, com um enorme PALÁCIO, como você pode imaginar, no centro de tudo isso.

Você viu meu filho?

"Você viu meu filho?"; a mulher perguntou freneticamente à velha senhora do outro lado da rua.

"Não, desculpa querida"; a velha respondeu.

"Você viu meu filho?"; a mulher perguntou ao policial local, mais apavorada desta vez
"Não, me desculpe senhora, mas nós vamos procura-lo imediatamente" o oficial respondeu pegando o rádio, tentando não olhar para os olhos tristes da mulher.

"Por favor ... por favor me diga que o meu filho está aí dentro", pediu a mulher à um amigo dela, que vivia ao lado de sua casa.

"Eu realmente sinto muito Clarice, nós não o vimos" a mãe respondeu.

A mulher procurou em todos os lugares, percorreu a rua inteira, gritando: "Onde está o meu filho." Ela estava chorando, puxando seu cabelo, desesperada. Seus vizinhos, por pena, a ajudaram em sua busca

"JIMMY, JIMMY! ONDE VOCÊ ESTÁ! POR FAVOR, SAIA! "

A partir deste dia, a partir de 10 da manhã até às 8 da noite, a mulher iria sair de sua casa, parecendo um lixo. Ela parecia um cadáver; pele pálida, cabelos crespos, e seu corpo cada vez mais magro. Ela gritou por todas as partes da cidade, "Você viu meu filho?"

Na segunda semana, todo mundo ja devia estar pensado que ela já tinha enlouquecido.
Ela foi para o departamento de polícia local de novo ...
"Você viu meu filho?"

O oficial encarregado deixou escapar um suspiro profundo: "Eu sinto muito senhora"
A mãe voltou para casa, parecendo deprimida. Mas assim que ela fechou a porta da frente, um sorriso se abriu em seu rosto.

Com uma risada, a mulher sussurrou para si mesma. "Eu acho que eu escondi bem o corpo!"

Fonte: MEDO B

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Fotografias Pós Morte


Na era Vitoriana, era comum a prática de fotografia dos mortos, especialmente no final do século 19. A fotografia Post-Mortem era uma maneira barata para as pessoas que não tinham muitas condições pudessem imortalizar seus entes queridos mortos, principalmente as crianças. A taxa de mortalidade infantil era significativamente alta nesse período, e as fotografias Post-Mortem eram geralmente as únicas fotografias que uma criança teria.

Os corpos eram geralmente colocados em posição natural como sentado em uma cadeira ou no sofá, e os olhos eram abertos para dar ilusão de vida.

Se o morto era uma criança, a mãe muitas vezes era fotografada com ele, às vezes até carregando o corpo nos braços. Em algumas circunstâncias, os olhos do morto permaneciam fechados, e o corpo era posto em uma cama, como se estivesse em sono profundo.

Apesar da mórbida natureza das fotografias, esses retratos eram geralmente um trabalho simples para o fotógrafo. Os corpos sempre se provavam perfeitos para fotografias, parados o suficiente para eliminar os borrões dos movimentos dos vivos e reter os detalhes intrincados dos rostos.

Esse feito, combinado com a posição que parecia dar vida aos corpos, às vezes ofuscava os vivos nos retratos. Porém é claro, sempre havia exceções. Em 1899 por exemplo, um fotógrafo chamado Louis

Desmond teve que tirar várias fotos de uma garotinha.


O corpo dela foi posto em uma cadeira feita especialmente para os mortos, com uma estrutura que mantinha os corpos completamente parados para a fotografia. Apesar da estrutura e rigidez do corpo e do rosto da garotinha, a sua mão esquerda saia inexplicavelmente borrada em algumas fotografias.

O fotógrafo culpava a mãe pelo borrão, convencido de que seus movimentos estavam fazendo as tábuas soltas do soalho do estúdio tremerem, fazendo com que a cadeira se movesse.

As fotografias, no entanto, provam outra coisa - as fotos onde a mãe estava perto do corpo mostravam que a mão da garotinha permanecia perfeitamente imóvel.

Outros exemplos de Post Mortem :

domingo, 13 de julho de 2014

Câmara de gás

Auschwitz foi um dos campos de concentração mais famosos da Alemanha Nazista, onde milhares e milhares de pessoas foram mortas, além de sofrerem com experimentos sádicos e torturantes. Um dos jeitos mais terríveis de morrer naquele local era a temida câmara de gás, onde gases altamente tóxicos eram jogados no ar, em grande quantidade, e matavam as pessoas sufocadas, às vezes com dores terríveis.

Essa imagem mostra a parede de uma das câmaras, onde, no meio do desespero, as pessoas arrancavam o cimento com as próprias mãos.



Fonte: hypescience

"Criatura" aparece em foto

Essa foto foi tirada do monitor de visualização de uma equipe de enfermagem. Nela, aparece uma criatura negra em cima do paciente que veio a falecer algumas horas depois que a foto foi registrada.


Fonte: HistóriaDeFantasma.