Posts

terça-feira, 14 de abril de 2015

Experimento Macabro

Gás Mostarda e Lewisite


Como a pesquisa de arma biológica se intensificou na década de 1940, as autoridades também começaram a testar suas repercussões e defesas no próprio Exército.

A fim de testar a eficácia de várias armas biológicas, funcionários eram conhecidos por terem pulverizado gás mostarda e outros produtos químicos, arruinando pulmões e queimando a pele, sobre os soldados sem o seu consentimento ou conhecimento do experimento acontecendo com eles.

Eles também testaram a eficácia das máscaras de gás e roupas de proteção por soldados travando em uma câmara de gás e expondo-os a gás mostarda e Lewisite (verá logo abaixo sobre), evocando a imagem da câmara de gás da Alemanha nazista.

Efeitos do Lewisite


Lewisite é um gás que pode facilmente penetrar na roupa e até mesmo em borracha.

Em contato com a pele, o gás imediatamente provoca dor extrema, coceira, inchaço e até mesmo uma erupção cutânea. Grandes vesículas cheias de líquido se desenvolvem 12 horas após a exposição, sob a forma de queimaduras químicas graves. E isso é apenas em contato com a pele.

A inalação do gás provoca uma dor em queimação nos pulmões, espirros, vômitos e edema pulmonar.

Efeitos do Gás Mostarda


Assintomático até cerca de 24 horas após a exposição, ele tem propriedades mutagênicas e carcinogênicas que mataram muitos submetidos a ele.

Os seus efeitos primários incluem queimaduras graves que se transformam em um fluído amarelo. Embora com tratamento, queimaduras de gás mostarda curam muito, muito lentamente e são extremamente dolorosas.

As queimaduras que deixam o gás na pele são às vezes irreparáveis.

Há também rumores de que, juntamente com os soldados, os doentes em hospitais estavam sendo usados ​​como cobaias para experiências médicas envolvendo produtos químicos, mas que todas as experiências foram alteradas e passaram a ser chamadas de “observações” para afastar suspeitas.

Fonte: Mini Lua

TOC

Eu tenho transtorno obsessivo-compulsivo. Eu não sou um germefóbico ou um daqueles caras que fica verificando várias e várias vezes se uma porta está trancada ou não; é que eu realmente odeio números ímpares. É difícil de explicar - eu só não me sinto bem, como se algo me dissesse que devo corrigir isso. Se vejo um sapato no chão, tenho que encontrar o outro antes que a ansiedade se torne insuportável. Eu sempre compro alimentos em pares. Eu tenho dois carros, mesmo que só use um.

Fiquei tão feliz quando minhas filhas nasceram e eu descobri que eram gêmeas idênticas. Elas foram como uma luz na minha vida, e por algum tempo consegui manter o meu TOC sob controle. É incrível como o amor pelas crianças que você criou pode mudar a sua maneira de pensar nas coisas. Que bobo eu era quando pensava que algo tão arbitrário quanto números ímpares poderiam me governar.

Graças a Deus pelo milagre da vida.

...

Quando a minha filha Sally adoeceu, abatida por uma pneumonia, entrei em profunda depressão. Eu aos poucos fui obrigado a assistir enquanto a minha doce filhinha perdia seu vigor e energia. Me sentei na cadeira ao lado de sua cama enquanto a enfermeira vinha e colocava um lençol sobre o seu rosto.

Olhando para o lençol deixado sobre o rosto de minha filha, minha perna começou a tremer.

Um suor frio começou a descer em minha testa.

Eu odeio números ímpares.

E agora, o que eu faço com a outra?

------------------------------------------------------------------------------------
Traduzido de www.chillingtalesfordarknights.com

Eu vou apagar a minha conta no Youtube

Meu nome é Chloe. Eu sou uma estudante universitária de 22 anos, moro em Minneapolis e sou uma confessa viciada em internet. Eu mantenho um canal no Youtube que atualizo todos os meses com paródias de programas de TV e outros vídeos ocasionais em que me dirijo aos meus telespectadores diretamente. Ultimamente, no entanto, algo verdadeiramente bizarro aconteceu com o meu canal.

Tudo começou de manhã, depois que eu enviei um vídeo novo para o meu canal. Era nada mais do que um simples e sincero agradecimento aos meus seguidores por terem me ajudado a alcançar a marca de 100.000 inscritos, juntamente com uma série de montagens de mim mesma fazendo coisas bobas que meus fãs haviam sugerido nos comentários. Mas eu fui surpreendida quando fui checar quantas visualizações o vídeo tinha, descobrindo que ele tinha mais "deslikes" do que "likes". Eu sempre me dediquei aos meus vídeos e meus seguidores sempre foram ferozmente leais, então eu não conseguia entender como um vídeo feito especialmente para eles poderia ter sido recebido dessa maneira. Vendo os comentários, notei dezenas de frases como "Eu não entendi" e "Que droga é essa?". Quando eu finalmente decidi ir ver o vídeo, percebi que não era o que eu havia upado na noite passada.

O vídeo que eu havia enviado para o Youtube tinha cerca de cinco minutos de duração e tinha o título "OBRIGADO!". O vídeo que estava sendo reproduzido na minha tela tinha dezesseis minutos de duração e seu título era apenas um timestamp. Voltei para a página anterior e vi que o vídeo estava realmente no meu canal. Curiosa para ver o que havia nele, eu cliquei no botão de iniciar e comecei a assistir. Ele mostrava uma garota ocupada digitando em um computador: eu. Nada acontecia durante todo o vídeo, e ele terminava de forma abrupta e sem qualquer explicação. Acho que eu devo ter deixado a minha câmera ligada enquanto eu estava editando o "OBRIGADO!", e de alguma forma acabei enviando este estranho rascunho. Depois de postar um comentário pedindo desculpas pelo meu "erro", eu peguei meus livros e fui para a escola. Eu queria ter apagado aquele vídeo antes se tivesse tempo.

Quando cheguei em casa, passei as próximas horas terminando a minha lição e arrumando o meu quarto. Eu comi uma "ceia" rápida composta com algumas coisas aleatórias que peguei na geladeira, e em seguida, acessei o canal. Eu olhei com frustração para a tela quando descobri que um outro vídeo indesejado havia sido enviado. Este tinha um pouco mais de três horas de duração. Ele começava comigo deitada no chão, folheando um livro, enquanto fazia minhas atividades. Mais tarde, ele me mostrava andando em volta do meu quarto, reorganizando minha estante e arrumando as roupas que havia usado ontem. Perto do final, eu saía da sala, provavelmente para ir até a cozinha e comer.

Eu não fazia ideia do que estava acontecendo com meu computador. Eu não tinha sequer tocado nele desde de manhã. Eu tinha que fazer alguma coisa com a câmera, ou seria só uma questão de tempo até que um vídeo meu trocando de roupa ou me secando depois do banho fosse postado. Investiguei por entre as entranhas do meu laptop, tentando encontrar o código canceroso responsável por estas filmagens acidentais. Devo ter passado por todos os programas e arquivos umas três vezes, mas tudo parecia estar normal. Eu desisti lá pela meia-noite. Eu ia ter aula às 8:30, de manhã, e precisava dormir. Coloquei uma folha de papel na frente da câmera para que, mesmo se outro vídeo fosse enviado, ninguém iria ver nada que eu não quisesse. Exausta, eu apaguei as luzes e fui dormir.

Eu chequei meu canal antes de ir para a escola na manhã seguinte. Por algum motivo, as atividades nele estavam literalmente bombando. Toda vez que eu clicava no botão de atualizar, o mais recente - e não enviado por mim - vídeo do meu canal parecia receber uma centena de novas visualizações. Mas como um vídeo de seis horas, com uma miniatura totalmente preta, e contando com apenas um timestamp como título, poderia ter ficado tão popular? Comecei a assistir o vídeo, mas nada parecia estar acontecendo. Decidi dar uma olhada nos comentários para encontrar alguma explicação:

"Por que você postou isso?"

"O que fez com os vídeos? Isso é algum tipo de brincadeira?"

"Eu não consigo ver o que está acontecendo..."

(Resposta) "Você viu?"

(Resposta) "Viu o quê?"

(Resposta) "30:18. Olha bem de perto."

Eu saltei para a meia hora do vídeo e olhei fixamente para a tela. Parecia que algo estava se movendo. Era um movimento pouco visível e durou apenas alguns segundos, mas quando parou, eu reconheci os contornos na escuridão. Era o meu quarto, e o "movimento" era eu, me mexendo enquanto dormia. Como a câmera poderia ter captado aquilo? Quando a Chloe no vídeo se mexeu de novo, eu gelei.

O ângulo da câmera deste vídeo era diferente dos outros.

Minha cama não podia ser captada pela câmera.

Aquele vídeo havia sido gravado pela janela do meu quarto.


------------------------------------------------------------------------------------
Traduzido de www.creepypasta.com

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Titanic

Quatorze anos antes do famoso navio Titanic afundar no Oceano Atlântico Norte, um homem chamado Morgan Andrew Robertson escreveu um livro sobre um navio fictício. O título do livro era "Futilidade", e descrevia um navio com incríveis hélices triplas e com muito poucos botes salva-vidas, mas ninguém parecia se preocupar com isso, afinal, ele era praticamente inafundável.

Ele era o maior navio já criado, conseguindo suportar mais de 3.000 passageiros e tripulantes, mas apenas 2.500 passageiros e tripulantes embarcaram no navio. E então, numa noite de abril, o navio colidiu com um iceberg em seu lado estibordo. Mais da metade dos passageiros a bordo morreram, um final tão trágico quanto ao que se sucederia ao Titanic anos mais tarde.

Basicamente há apenas duas diferenças entre este navio fictício e o real Titanic. O Titanic estava se movendo em 22½ nós quando bateu no iceberg; e o Titanic também tinha apenas 2.200 passageiros e tripulantes a bordo. E quanto ao nome do navio de Morgan Robertson? Ele se chamava Titan.


Fonte: ww.creepypasta.wikia.com

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

O Homem que afirma ter ido a marte

Um advogado americano, Andrew D. Basiago afirma já ter ido a Marte!

Ele diz que já trabalhou com a CIA quando era criança no Projeto Pegasus, para descobrir os segredos do Teletransporte e viagem no tempo.
Basiago afirma que se teletransportou pela primeira vez no final dos anos 60, e que o teletransporte já existe a mais de 40 anos. Ele também diz já ter viajado para o futuro, para o ano de 2045 e vem revelando segredos aos poucos em entrevistas nos EUA.

Sua primeira viagem para Marte foi nos anos 80 por teletransporte também, e durou apenas minutos a "viagem".
Junto com Willian B. Stillings, um amigo dele que confirma suas afirmações, Basiago afirma que o presidente Barack Obama também já esteve em Marte junto com ele e viveu por lá algum tempo.

A Casa Branca já respondeu essa afirmação falando que Obama nunca foi para Marte. "Só se ele foi assistindo Marvin, O Marciano" falou o Porta Voz da Casa Branca.Mas quem acredita na Casa Branca?


Andrew Basiago faz campanha para que o governo dos EUA revele a verdade como já ter vida em Marte, o teletransporte e a viagem no tempo, incluindo o fato que os EUA tem acesso de acontecimentos do futuro.
Outra coisa revelada por Basiago é que não existe só vida humana em Marte, existem extraterrestres inteligentes e também animais extraterrestres vivendo por lá.


Entrevista do Andrew Basiago






Afirmações do Basiago já chegaram a TVs Russas.
Basiago também anunciou sua candidatura a eleição presidencial dos EUA em 2016.

Será que o "Mars One" é uma forma de começar a contar a verdade sobre a vida em Marte? Será que 16 participantes não estão indo lá pra ficar sozinhos abandonados no Universo?
Faz sentido mandar pessoas para lá sem volta, e que se der qualquer defeito na comunicação simplesmente vão morrer lá sem trazer nenhuma vantagem da sua vida?
Ou será que tem todo um segredo por trás?

Fonte: Medo B

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Amostra Netflix IX

Se isso funcionar, minha mensagem será passada. Eu sei que as chances são mínimas, e sei também que você nem deve ligar ou queira saber, mas peço que leia a minha história e aprenda com o meu erro. É a única coisa que posso fazer.

Meu nome é Levi. Sou uma pessoa comum, passo a maior parte do meu tempo assistindo TV, Youtube e Netflix. É meio irônico dizer isso, mas se não fosse pelo fato de que eu assisti e li tantas creepypastas, eu provavelmente estaria morto. Isso soa meio estúpido, eu sei, mas não deixa de ser verdade. Há algumas noites, eu estava assistindo séries no Netflix com a minha namorada Megan, nós tínhamos acabado de ver um filme do Weird Al “UHF” e estávamos decidindo qual seria o próximo filme da noite. Eu mencionei “O sexto sentido” e Megan disse nunca ter assistido o filme ou se quer sabia que o filme tinha um final inesperado. Achei o fato dela não saber o final do filme uma coisa muito rara, porque afinal, quem não sabe o final de “O sexto sentido”? Então decidi procurar no Netflix se tinha o filme, digitei “sexto”, pensando que o filme iria aparecer.

Ele não apareceu.

Mas nos resultados da procura, um ícone me deixou intrigado. Era apenas o logo do Netflix. Sem título nem nada. Olhei espantado para Megan e ela apenas levantou os ombros, indiferente. Era algo muito estranho, porém parecia inofensivo, afinal, não tinhamos escolhido o que assistir ainda, então decidi selecionar o vídeo e ver a descrição. O título completo do “filme” era “Amostra Netflix VI”, o elenco era descrito apenas como “Ator” e “Atriz”, a descrição contia apenas termos técnicos referentes aos equipamentos usados. Sabia que tinha algo estranho com esse filme, algo como o que vejo em creepypastas, porém falei para mim mesmo ao dar play que creepypastas não são reais.

O vídeo começou com uma fonte com água jorrando da ponta. Nós sempre usamos legendas porque Megan gosta delas, porém tudo o que dizia era “Não existe choro no baseball!”. Isso já era muito bizarro para mim, por causa do contexto que estava sendo apresentado, eu não iria ficar assustado por conta de fontes de água e legendas mal feitas, porém quando se trata de um filme com uma descrição vaga e um nome genérico, isso me deixou com o pé atrás em continuar vendo o filme, mas continuei. Após um tempo, uma mão entrou na fonte e começou a brincar com água. Essas imagens bizarras continuaram, mostrando coisas como um homem dançando moonwalk com um laptop em mãos, fazendo malabarismo e até recitando um monólogo antes de fazer sons de estalo para a câmera. Enquanto estavamos assistindo esse filme, uma ideia me veio a cabeça: se eu achei esse filme digitando “sexto” no Netflix, o que eu acharia se eu digitasse apenas “netflix” na aba de buscas. Minha curiosidade ganhou, após procurar por “netflix” um monte de “amostra de filmes” apareceram. Não sei o que aconteceu, mas algo me fez assistir todos.

Por queeee? - Megan disse, se movendo inquietamente no sofá, pois assistir aqueles filmes não era a coisa mais legal do mundo.
Eu não sei, curiosidade. - Eu disse para ela enquanto colocava vídeo após vídeo, parando no meio de cada um antes de ir pro próximo.

Todos eles pareciam iguais, até que chegamos no filme IX.

Assim, não tinha nada de anormal com o IX, ele começou exatamente igual aos outros, mas algo me parecia diferente nesse filme. Era como o sentimento que você sente quando está em um sonho e sabe que o perigo não é real, mas acaba sentindo medo por pouco tempo antes de acordar. Aconteceu logo após o monólogo, quando o ator começou a fazer o som de estalo para a câmera. O som parecia ecoar na minha sala e progressivamente na minha casa inteira, parecia me sufocar e Megan parecia estar pálida. Do nada o som parou. A tela ficou branca e não havia mais som de estalo, fonte, apenas... silêncio. Após alguns segundos, o silêncio foi quebrado quando um círculo branco apareceu na tela com um som muito agudo, e por mais que eu me envergonhe de dizer isso, eu gritei. Senti calafrios e me senti um idiota por gritar porque vi um círculo branco na TV, talvez devêssemos ter visto “O chamado” em vez desses 'filmes' bizarros. O círculo começou a piscar, toda vez que piscava o som voltava a aparecer. Depois disso apareceu uma tela estranha, daquelas que aparece quando há algum problema com a transmissão. Quando finalmente o filme acabou, olhamos um para o outro e rimos alto.

“Nossa, isso foi assustador pra caralho.” - Megan riu enquanto deitava soltando um suspiro.
“Sim, estranho pra caralho.” - Eu disse enquanto me arrumava no sofá.

Não sei o que me deu na cabeça, mas eu olhei para a tela novamente e salvei o filme para a minha lista de filmes. Este foi o meu pior erro, eu acho. Olhei para a janela e percebi que estava completamente escuro lá fora. Eu me lembro que achei isso muito confuso, pois o vídeo tinha a duração de apenas alguns minutos e eu tinha certeza que ainda era umas três horas da tarde quando começamos a assistir, mas acabei deixando isso pra lá, vai ver que eu olhei as horas errado ou meu relógio tinha parado de funcionar na hora que eu vi.

No próximo dia fui almoçar no KFC, eu sei, super saudável. Quando comecei a comer, senti meu estômago revirar, bem, tá na hora de eu ir fazer uma visita ao banheiro masculino. Quando sentei no 'trono', tirei meu celular do bolso para ver meus e-mails, porém lá estava o vídeo do Netflix carregado e pronto para assistir. Eu pensei, deve ter aberto enquanto estava no meu bolso, sei lá. Daí pensei, bom, já que não tenho nada para fazer, vou assistir de novo esse vídeo bizarro. Mesma legenda estranha. Mesmo som bizarro. Mesmo círculo piscando. Eu podia ter parado o vídeo, mas não parei. Eu fiquei sentindo como se, se eu parasse de assistir eu iria perder alguma coisa no vídeo, que havia algo FALTANDO no vídeo que eu não sabia o que. Foi aí que escutei um barulho vindo da porta, um barulho de alguém batendo na porta que me fez sair do transe. Era a mulher da limpeza.

“Senhor, estamos fechados agora, por favor se retire.” - A mulher da limpeza disse.
Fechados? Como assim fechados? Como isso é possível?. Estamos no horário de almoço, como pode ser de noite já? Mesmo não sabendo como, eu tinha perdido 7 horas do meu dia. Eu saí de lá confuso e sem entender o que havia acontecido. Liguei para Megan.

“Megan, é o Levi.” - Eu disse enquanto andava para o ponto de ônibus.
“Levi? Porque você está ligando tão cedo?” - A voz dela parecia que ela havia acabado de acordar, como se ela tivesse distraída ou algo assim.
“Cedo?” - Eu perguntei. Eram sete horas da noite, não tinha como ser de manhã.
“Sim... São tipo, dez horas da manhã. Você saiu de casa uns dez minutos atrás.”
Senti um sentimento de desespero dentro de mim.

“Meg, o que você está fazendo?” - Perguntei, hesitante, já sabia a resposta.
“Hmm? Só assistindo aquele vídeo bizarro de ontem. Estava carregado no xbox quando eu liguei ele.”
“Meg, pega seu telefone e veja as horas.”
“Ahm? Porque eu iria f...” - A voz dela se distanciou enquanto falava, aí ouvi seu grito de espanto.
“Mas que merda é essa?” - Ela disse, surpresa.
“Fica aí, to correndo para sua casa.” - Disse para ela enquanto corria para casa em vez de pegar o ônibus. Não gostava nem um pouco dessa situação.

Quando cheguei em casa Megan abriu a porta e perguntou o que estava acontecendo. Eu corri para o xbox. Isso tudo era muito estúpido e impossível. Como um vídeo poderia me fazer perder sete horas do meu dia? Porque a Megan achou que eram dez horas da manhã? Só havia um jeito de saber a verdade, liguei o Netflix, selecionei o vídeo e coloquei para o vídeo carregar. Megan sentou do meu lado e falou:

“Levi?”
“Que horas são?” - Eu perguntei após descobrir que meu celular tava sem bateria.
“Hmm..” - Ela foi checar o telefone dela, mas também estava sem bateria.

Então olhei no xbox. Eram 8:45 da noite. No tempo em que o vídeo terminar, vão ser 9 horas. Precisavam ser. Devia ter alguma coisa no vídeo que explicasse o que estava acontecendo com a gente. Era a mesma coisa, fonte, som, eco, homem, círculo branco, círculo branco, círculo branco, som agudo, círculo branco. Desculpe, eu ainda me sinto estranho pensar sobre isso, como se eu fosse perder o tempo pelo simples ato de pensar no vídeo. Então ouvimos um barulho na porta. Um barulho, às 9 horas da noite? Quem poderia ser? Nos fez sair do transe e a Megan foi abrir a porta.
“Entrega para a senhora... Megan?” - O homem com uniforme de carteiro segurava um caixa branca e uma prancheta disse.
“Essa sou eu. Por favor, que horas são?” - Disse Megan.
“São mais ou menos 10:30, ele sorriu, pegando a prancheta de volta. Eu me lembro pensar naquela hora, 10:30? Será que ficamos vendo o vídeo por mais de uma hora?
“É um pouco tarde para fazer entregas, não acha?” - Ela disse para o carteiro, franzindo a testa.
“Bom, eu tento entregar todas as encomendas antes do almoço. Tenha um bom dia madame.” - O carteiro disse antes de sorrir e descer as escadas.

Horário de almoço? Será que ficamos assistindo aquele maldito vídeo a noite toda? Ah, se fosse apenas isso. Quando Megan sentou no sofá de novo ela parecia pálida como um fantasma.

“O que houve, amor?” - Perguntei para ela enquanto colocava minha mão por cima da sua.
“Essa encomenda... era para chegar quarta-feira..” - Ela falou, quase sussurrando para mim. Precisei de um momento para cair a ficha. Era sábado, ou pelo menos domingo. Mas pensei, os correios não funcionam de domingo.

Agindo sobre impulso, corri para o outro lado da sala e coloquei o celular de Megan para carregar. Assim que havia bateria suficiente para ligar, eu liguei e vi a data. Era quarta-feira. Perdemos quatro dias assistindo aquele vídeo e nem notamos. De repente senti o cansaço bater, o estômago vazio, os olhos quase fechando. Me senti horrível, nunca havia me sentido tão esgotado fisicamente quanto me senti e Megan também. Nos quatro dias que perdemos assistindo aquele vídeo, Megan foi demitida do seu emprego porque faltou sem dar nenhuma satisfação. E eu, bem, eu não tinha nada a perder, a única coisa que tinha era Megan. Ela é a única pessoa que tenho. Sabendo o que sei agora, dei a ela uma chave da minha casa, porque ela podia ser a única pessoa que pode me ajudar. Meu celular está com 30% de bateria, mas deve ser o bastante.

Vou assistir o vídeo de novo. Apenas mais uma vez. Coloquei o alarme para despertar daqui 7 horas, então deve ser o bastante. Se eu me perder mais alguma vez, nunca mais irei assistir esse vídeo, não importa o quão tentador seja. É como heroína, crack ou cocaína, quando você começa a assistir, você se sente impossibilitado de parar, mas eu tenho certeza que existe algum jeito de parar, não sou um idiota. Mas em caso de alguma coisa não dar certo, estou escrevendo essa carta para vocês. O vídeo está carregando, então eu espero que eu consiga apertar o botão de “enviar” antes dele começar. Se alguma coisa errada ocorrer, quero que o mundo saiba que eu amei a Megan e que eles não devem procurar pela amostra do Netflix IX. A data de hoje é 12/06/2013. O vídeo acabou de carreg...

Merda! Fiquei preso no vídeo, o alarme não tocou. Meu celular deve ter desligado por causa da bateria. Não consigo falar com a Megan. Me sinto muito fraco, é muito difícil digitar. Preciso de descanso.

Pra quem não acredita, tem aqui o link na Netflix(aqui), mas se você não tiver conta lá, também tem no Youtube desde 20011.




Fonte: Medo B

domingo, 2 de novembro de 2014

A Casa Sem Fim 2

Surgiu a parte 2 da casa sem fim, uma das melhores creepys que eu já li, e que me inspirou a fazer esse blog! Pra quem n leu, aq está A Casa Sem Fim
-



Já se fazia três semanas que eu não ouvia noticias de David. Nos seis meses que namoramos, ficamos no máximo três dias sem nos falar. Não havia nada fora do comum na ultima vez que o vi, ele tinha mencionado que estava indo verificar uma coisa que um amigo lhe contou. Naquela noite eu ainda recebi um SMS um pouco estranho de David, mas não era de seu número. Era uma mensagem de apenas seis palavras. 

“Casa sem fim, não venha! David.”

Tinha alguma coisa errada. Depois que li esse texto me senti enjoada, como se eu tivesse visto algo que não devia. Eu decidi logar na conta de Messenger dele para ler suas ultimas conversas. As mais recentes era com Peter, um dos seus melhores amigos, um viciado e burro, mas pelo menos ele podia ter algumas informações sobre onde David poderia estar. Assim que entrei, imediatamente recebi mensagens.

- David? Puta merda cara, você me deixou preocupado. Pensei que tivesse ido para aquela casa.

- O que você quer dizer?

- A casa sem fim, cara, eu podia jurar que você tinha ido para lá.

Casa sem fim, esse cara sabia o que estava acontecendo.

- Pois é... Eu não consegui encontra-la. Talvez eu tente ir lá amanhã. Me passa o endereço de novo?

- De jeito nenhum! Você já me preocupou demais, eu estive naquele lugar, acredite em mim, você não vai querer ir naquele lugar.

- Peter, aqui é a Maggie.

- Espere... O que? Onde está o David?

- Eu não sei, pensei que você poderia saber, mas aparentemente não.

- Puta merda! Merda, merda, merda!

- O que foi? Sério Peter, você precisa me dizer o que está acontecendo.

- Eu acho que ele entrou naquela casa. Não é longe, talvez quatro milhas abaixo, em Terrence. Seguindo a estrada marcada e virar a direita. Puta merda! Ele se foi!

- Não, eu não acho que ele se foi.

- O que você está pensando em fazer?

- Eu vou trazê-lo de volta.

Eu parti para a procura dele na mesma noite em torno das oito. Não havia um único carro em toda viagem, e quando virei para uma rua sem nome, vi uma placa com uma seta.

“Casa sem fim// Aberto 24 horas”