Posts

sábado, 1 de agosto de 2015

Minions e o nazismo

"Minions" (que vem do alemão "capanga") era como os nazistas chamavam as crianças judias adotadas pelos cientistas nazistas para seus experimentos. Elas passaram grande parte de sua vida no sofrimento, falavam alemão e como suas palavras tinham sons diferentes, era divertido para os Alemães.

Nessa foto podemos ver as crinças num dos experimentos com gás Zyklon B, e que pode ter servido de "inspiração" para o desenho dos Minions.

O diretor do filme já apareceu em público tentando desementir a história... mas e agora, será verdade?


Fonte: Medo B

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Charlie Charlie Challenge - A verdade

Sabe aquelas brincadeiras do copo ou compasso? Então, Charlie nada mais é que uma brincadeira do mesmo estilo. Para iniciar o tal ritual de invocação, é preciso apenas colocar os lápis em formato de cruz em cima de um pedaço de papel onde tem escrito as palavras “Não” e “Sim”. Depois basta a pessoa perguntar “Charlie Charlie, are you there?” (Charlie Charlie, você está aí?) E esperar que o lápis se mova para o “Sim”. Caso isso ocorra, o espírito está presente e você pode fazer as suas perguntas.

O youtuber brasileiro Felipe Neto resolveu gravar um vídeo fazendo essa brincadeira e o resultado você confere a seguir (Assista o vídeo até o final):



Talvez você seja mais um dos que realmente acreditou nesse ritual, mas a verdade é que tudo não passa de uma brincadeira para promover o filme de terror “The Gallows” (“A Forca”, para o Brasil). No trailer você confere a história de um garoto chamado Charlie que, depois de acidentalmente morrer enforcado, passa a assombrar um teatro.

Como verá a seguir, um dos rapazes diz “Charlie, Charlie, onde está você?”, e em seguida uma garota assustada diz “Você não deveria dizer esse nome”. Assita ao trailer e tire suas próprias conclusões:




Fonte: Iradorox

domingo, 17 de maio de 2015

MINHA NAMORADA MORREU DIA 7 DE AGOSTO DE 2012

Eu acabei de receber outra mensagem, e é pior do que qualquer uma das outras. Ela estava no meio de uma colisão de três carros, dirigindo para casa do trabalho, quando alguém atravessou o sinal vermelho. Ela morreu em questão de minutos.

Estávamos namorando há cinco anos, na época. Ela não era muito fã da ideia de casamento (ela dizia que parecia arcaico, que passava uma sensação estranha), mas se ela fosse à favor, eu teria casado com ela já nos três meses de namoro. Ela era vibrante, o tipo de pessoa que escolheria Desafio toda vez. Ela era a mais animada nos acampamento, mas também era viciada em tecnologia. Ela sempre tinha cheiro de canela.

Dito isso, ela não era perfeita. Ela sempre falava, quando acontecia algo mórbido que “se eu empacotar antes, não diga apenas coisas boas sobre mim. Eu nunca fui assim. Se você não me criticar também, estará me fazendo um desserviço. Tenho tantos defeitos, e eles são só uma parte de mim." Então isso é sobre a Em: a música que ela dizia gostar, e a música que ela realmente gostava, era totalmente diferente. A ideia dela de carinho, era abraços rápidos. Ela tinha pés muito longos, como um chinpanzé.

Eu sei que isso é superficial, mas eu não acho certo falar dela sem que você tenha ideia de como ela era.

Não Cave Muito Fundo (Minecraft)

Não sei quem está lendo este texto mas suplico que me ajude. Rezo para que este arquivo seja materializado como parte do jogo e que alguém o encontre. Eu era um jogador de Minecraft como você, quando comecei a jogar estava na versão 0.8. Havia muitos bugs para consertar mas era um jogo extraordinário. Ficava horas e horas jogando e só saia quando minha mãe chamava para o jantar.
Como de costume liguei meu computador no sábado de manhã e carreguei meu mundo. Havia feito uma casa extraordinária com blocos de tijolos e uma pequena chaminé no telhado feita de pedra, o telhado era de madeira e no interior havia dois pisos com caixas e mesas de trabalho na parte de baixo e na parte de cima minha cama e algumas decorações de estantes de livros. Sempre me orgulhei das construções que fazia.

Precisava de metal e diamantes então entrei na caverna que havia escavado. Era muito fundo, havia chegado aos últimos blocos do mapa e estava escavando nesta altura. Tinha feito vários corredores um ao lado do outro com dois blocos separando cada um deles, assim não teria como perder de vista o metal. Havia tantas ramificações que não conseguia me achar muito bem lá dentro.
Tudo era muito escuro apenas algumas tochas iluminavam os corredores. Escolhi um dos corredores e comecei a cavar. Cavei durante alguns minutos e consegui algum ferro e depois de muito procurar finalmente achei um bloco de diamante. Não perdi tempo e fui rapidamente minerar. Estes blocos estavam logo abaixo dos meus pés e assim que quebrei um apareceu logo o próximo abaixo dele. Nunca cavo para baixo por causa da possível lava que pode surgir mas neste caso não havia nada ali alem dos blocos finais do mapa, são blocos negros inquebráveis, feitos para que nem um jogador o ultrapasse. Cavei mais uma vez para baixo e peguei diamante. Havia mais um bloco logo alem deste e cavei novamente, já tinha ao meu redor blocos escuros do final do mapa cavei mais uma vez e para minha surpresa havia mais diamantes. Com a ganância que qualquer jogador tem cavei mais uma vez e logo me dei conta que havia dois blocos negros para cada lado que olhasse, não havia como sair dali e ainda me sobrava mais um bloco de diamante logo abaixo dos meus pés. Não tinha escadas em meu inventário mas tinha blocos de areia. Pensei que poderia colocar areia sobre eu mesmo e assim morrer, assim viria novamente a este lugar depois e pegaria os itens com uma escada. Assim decidido cavei o ultimo bloco de diamante que havia abaixo dos meus pés. Cavei…

Para minha surpresa não havia mais blocos do final do mapa abaixo, não havia nada apenas um espaço escuro onde estava caindo. Fiquei com tanta raiva, pois havia perdido todos os meus itens neste bug.

Continuei caindo no vácuo esperando morrer. Comecei a olhar para os lados mas não via nada, continuava caindo e caindo quando olhei para baixo e vi algo estranho. Tinha um chão la em baixo e estava me aproximando cada vez mais. Pensei que seria um bug do jogo e que morreria assim que chegasse lá.
Demorou mais um tempo e não tinha chego ao chão ainda. Foi então que comecei a sentir um calafrio. Um vento frio batia em mim e não sabia de onde vinha, todas as janelas estavam fechadas. Comecei a passar mal, tontura e um embrulho no estomago me deixaram atordoado. Tentei me levantar da cadeira mas assim que coloquei o pé no chão e levantei ela rolou para o lado e senti a maior tontura que já havia sentido na minha vida. Olhei para a tela do monitor e vi que estava prestes a cair no que era provavelmente um bug do jogo. Desviei o olhar e fechei os olhos e esperei me espatifar no chão do meu quarto quando veio um frio na barriga e a sensação de queda livre.

Abri rapidamente o olho e estava tudo escuro, não enxergava nada e estava caindo, um vento terrivelmente forte não me deixava respirar meu coração batia muito forte e quando menos esperava houve o impacto.

Acabo de cair em um liquido preto e gosmento, tentei me levantar rapidamente e percebo que é raso, posso levantar, o liquido gelatinoso chega ate meus joelhos. Quando estou de pé sinto essa espécie de gel envolver meu corpo e ao mesmo tempo ficar rígido, fazendo com que ficasse cada vez mais apertado me impossibilitando de me mover.

Perdi a consciência, não lembro quanto tempo passei desacordado mas quando dei por mim estava de pé. Quando abro os olhos vejo o terreno feito de blocos, estava dentro do jogo! Era noite e não conseguia ver muito bem, via tudo com tons de roxo. Percebi que estava mais alto e quando vi meus braços percebo que são compridos e escuros. Não sabia o que fazer então comecei a andar pelo cenário, vejo esqueletos com arcos e os zumbis, eles não me fazem nada. Andei muito pelo terreno e quando começou a amanhecer senti uma sensação horrível, um enjoo e uma queimação na minha pele, desejei sair dali e assim como um passe de mágica desapareci e cai no mesmo pântano escuro novamente, não via nada lá, só aquela água escura e espessa. Não sei quanto tempo se passa entre aparecer no cenário e voltar ao pântano mas acredito que seja equivalente ao dia dentro do jogo. Repeti essa rotina muitas e muitas vezes, descobri cavernas mergulhei em lagos profundos, atravessei desertos e de vez em quando entrava em vilas mas como era de se esperar não consegui me comunicar com os NPCs.

Todas as vezes que reaparecia no cenário ele era diferente, até que um dia encontrei um jogador. Olhei para ele e ele me encarou, minha vontade era de correr para perto dele e tentar me comunicar mas não consegui desviar o olhar. Ficamos nos encarando petrificados por um tempo e então subitamente me teleporto para seu lado. Sei que devo ter machucado ele pois deu um salto e um ruído de golpe. Tento correr para perto mas ele se esquiva e entra em uma casa improvisada. Tinha uma janela, fico ali parado olhando para ele, tentando pensar em uma forma de falar ou me expressar mas não consigo. Posso pegar um bloco com as mãos mas nada disso faz chamar sua atenção. Fico sem saber o que fazer ate que o jogador vai para sua cama e dorme, fico observando ele a noite toda mas provavelmente só acorda na manha seguinte.

Repito isso todas as noites, algumas vezes mato um jogador, assusto outro mas é só uma forma de avisar para não cavar muito fundo…

terça-feira, 12 de maio de 2015

Ronald McDonald Assassino

Bom gente, eu achei esse video legal e vim aq compartilhar com vocês, é isso ae k



Curtam ae!

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Peggy: A boneca assombrada


Existem vários casos de objetos considerados amaldiçoados, desde armas, casas, joias e até brinquedos. Desde os tempos antigos, há histórias de brinquedos ou bonecos que se tornam hospedeiros para o mundo dos espíritos, histórias como da Boneca Annabelle ou do Maldito Boneco Robert, já foram abordados aqui no blog Noite Sinistra, que hoje volta a falar do tema e aborda o caso da boneca Peggy: a boneca assombrada. Essa boneca seria capaz de provocar dores e náuseas em pessoas que viram suas fotos ou assistiram à algum vídeo da misteriosa boneca.


Muitas pessoas acreditam que quando alguns indivíduos experimentam emoções muito intensas, sejam essas emoções boas ou más, as vezes, isso resulta em liberação de energias. Tais energias podem acabar “se agarrando” a objetos pessoais do indivíduo, principalmente aqueles objetos mais adorados por eles. Essa crença afirma que em casas onde crimes bárbaros aconteceram, a energia negativa desses eventos pode acabar sendo sentida por pessoas sensíveis a esses fenômenos. O mesmo aconteceria com objetos supostamente amaldiçoados: eles estariam impregnados de energias hostis e malignas.


quinta-feira, 30 de abril de 2015

O Quarto Escuro



Sempre tive uma aflição com armários. Ainda mais de espelhos. Era assim que se encontrava o meu quarto. Escuro, sem janelas e tinha um grande armário com um espelho. Que por sinal, apontava exatamente aos pés da cama. O que dava uma sensação horrível...

Mas ainda tinha meu abajur. Eu sempre deixava ele ligado, pra dormir mais tranquilo. Mas meus pais insistiam em desligá-lo enquanto eu dormia. Eu nunca perguntei o motivo, sempre fiquei quieto, mas achava estranho virem toda madrugada ou manhã ao meu quarto só para desligar um abajur.

Papai e mamãe desligaram o abajur novamente e eu acordei no meio da madrugada, com muito medo. Não consegui achar o abajur. Até que eu bato com o braço no próprio, o derrubando. Ele não quebrou e eu consegui o acender. Dei graças à Deus.

Eles vão viajar. Por algum motivo eles não querem me levar. É um casamento... Mas ainda não vi motivo exato para me deixarem aqui, sozinho. O bom nisso tudo é que posso deixar o abajur ligado a noite inteira.
Me despedi de meus pais, que só voltariam em 5 dias. Depois disso liguei a televisão e coloquei em um canal de desenhos. Fiquei em torno de 3 horas assistindo à desenhos. 

Me deu uma certa aflição de ficar sozinho na sala. E isso me deu um pouco de saudade.
Fui então para o meu quarto. Onde liguei o computador e comecei a navegar na internet. Até que achei alguns blogs levados ao gênero de terror/horror/suspense. Começo a ler algumas histórias e contos da internet. Acho que são ''creepypastas'' ou algo do tipo. 

Desligo o computador e vou tomar banho. Coloco meu pijama e vou direto pra cama.
Sem esquecer: Liguei meu abajur.

Naquela noite, eu tive um pesadelo.
Uma silhueta escura saindo do meu espelho vinha em minha direção, mas não me atacava, apenas desligava o abajur e ficava ali no canto escuro do quarto me observando. No terror que se passou em segundos dentro de um pesadelo, eu acordo. E só percebo uma coisa: Meu abajur está desligado.

Conto do Victor Silveira

Fonte: Medo B